Após sete anos, acusados da morte do empresário Marggion Andrade vão a Júri Popular em São José de Ribamar

A 1ª Vara Criminal do termo judiciário de São José de Ribamar divulgou a pauta de sessões do Tribunal do Júri do mês de junho. Sentarão no banco dos réus, nesta segunda-feira (4), a partir das 8h, Francisco das Chagas de Sousa Lima e Alex Nascimento do Santos, acusados de participação no assassinato do empresário Marggion Ferreira Andrade (foto), crime ocorrido em outubro de 2011. Nas outras quatro sessões, os acusados serão Pedro Evangelista Alves; Raimundo Nonato Ferreira e Diego Santos Rabelo; Ataildes Dias Cantanhede e Natália de Jesus Pinheiro de Souza; e Carlos André da Silva, que serão julgados pelo Conselho de Sentença formado por sete jurados e presidido pela juíza Teresa Mendes, titular da 1ª Vara Criminal.

Consta em denúncia oferecida pelo Ministério Público (MP), que no dia 14 de outubro de 2011, por volta das 8h, Alex dos Santos e Roubert dos Santos com o auxílio de um adolescente, a mando de Elias Orlando Filho e Edson Arouche Júnior, este conhecido por “Júnior Mojó”, assassinaram o empresário Marggion Andrade, no interior de seu terreno localizado no Bairro Araçagy.

Em face da disputa por um terreno de propriedade da vítima, Elias Orlando e “Júnior Mojó” teriam pago R$ 12 mil reais para Roubert dos Santos (caseiro) matar Marggion, em acerto realizado dentro do próprio terreno da vítima. “Nessa ocasião, Elias e “Júnior Mojó” compareceram em seus respectivos veículos e ofereceram R$ 12 mil reais para que Roubert matasse Marggion Andrade com a própria arma que este havia fornecido para aquele (um revólver calibre 38) fazer a segurança do terreno”, descreve o documento.

O acusado Roubert dos Santos e o adolescente que, segundo o MP, ajudou a fazer a cova onde enterraram a vítima, foram assassinados posteriormente, sendo extintos o processo e o ato infracional em relação aos mesmos; já os acusados Elias Orlando e “Júnior Mojó” aguardam decisão de recurso impetrado junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Deixe uma resposta