Municípios do Maranhão sofrem com o excesso de chuva

Os temporais que caem no Estado do Maranhão desde o início do mês deixaram centenas de desabrigados e desalojados e causa muitos danos e prejuízos. Os Municípios afetados contabilizam os prejuízos causados pelas cheias dos rios e relatam que enfrentam graves problemas em decorrência das cheias dos rios que cortam as cidades afetadas.

Os principais problemas gerados são devidos as cheias dos rios que causam inundações, enxurradas e alagamentos, deslizamentos, de terra, destruição de estradas, queda de postes e árvores. Serviços essenciais foram interrompidos, como abastecimento de água e energia, alagamentos e soterramento de casas, edificações públicas e privadas.

Mais de 7 mil pessoas foram diretamente afetadas, a maioria relatou que perderam eletrodomésticos, móveis, vestuários, veículos, entre outros. Os danos materiais são relevantes, uma vez que bairros inteiros estão debaixo d’água. Carros foram arrastados pela enxurradas e alagamentos, houve destruição de casas, muros, estradas, entre outros. Além de desmoronamento de encostas e de pontes.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) entrou em contato com a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil do Maranhão (CPDec-MA). Em conversa com o capitão do Corpo de Bombeiros Militar do Estado, Fernando Fernandes, fomos informados que o órgão enviou várias equipes para auxiliar os Municípios afetados nas ações de respostas, busca e salvamentos das vítimas, além de orientar as prefeituras na execução de levantamentos dos danos e prejuízos causados, felizmente, até o presente momento não há registros de vítimas fatais.

Como o número de Municípios é significativo, ainda não há informações de valores dos prejuízos causados, as equipes permanecem em campo realizando o levantamento.

Municípios afetados:

  1. Marajá do Sena
  2. Pedreiras
  3. Trizidela do Vale
  4. Nina Rodrigues
  5. Lago dos Rodrigues
  6. Presidente Vargas
  7. Brejo
  8. Paulino Neves
  9. Bacabal
  10. Imperatriz
  11. São João do Sóter
  12. Tuntum
  13. São Luiz Gonzaga
  14. Rosário
  15. Timbiras
  16. Cantanhede
  17. Esperantinópolis

De acordo com a Lei 12.608/2012 que rege o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sinpdec), nos casos de desastres naturais, é dever da União e dos Estados apoiar os Municípios nas ações de buscas, socorro e assistência humanitária, monitoramento, prevenção, recuperação e reconstrução.

Diante do exposto, a orientação dada para os gestores locais, é:

  1. Nas ocorrências de desastres naturais solicite a integração dos três Entes nas ações e socorro e assistência humanitária;
  2. Busque sempre o apoio técnico da União e do Estado na decretação e na avaliação dos danos e prejuízos causados por desastres naturais;
  3. Solicite o reconhecimento de anormalidade diretamente à União;
  4. Após o reconhecimento federal, oficialize diretamente à União a liberação de recursos financeiros para execução de obras emergenciais de defesa civil no município, peça apenas o apoio técnico do Estado no levantamento da documentação exigida pelo Sinpdec;

 

Deixe uma resposta