Governo apresenta fluxo para atendimento a casos de coronavírus na rede pública de São Luís

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) apresentou o fluxo atualizado de atendimento aos usuários das Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e Hospitais da capital maranhense contra o coronavírus (Covid-19). A explanação aconteceu nesta segunda-feira (30), em coletiva realizada no Palácio dos Leões, e também teve o objetivo de explicar como se dá a assistência às pessoas não suspeitas da doença, bem como as respectivas unidades médicas que farão o atendimento.

“A nossa preocupação sanitária é cuidar da vida dos maranhenses. Continuaremos a tomar nossas medidas com base na ciência e não em achismos. O mais rápido possível queremos voltar à realidade, mas só faremos isso quando a doença estiver controlada e a população segura. Nós iremos vencer esta doença, pois o Maranhão é muito maior que o vírus”, disse o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

A apresentação se deu no mesmo dia em que o governador Flávio Dino pontuou os casos confirmados e informou sobre o primeiro óbito por conta da doença no estado. As ações tomadas pelo executivo estadual destacaram as medidas de prevenção e controle do Covid-19 e também apoio aos maranhenses para que mantenham o isolamento social e práticas de higiene.

Também estiveram presentes na coletiva o secretário de Estado de Articulação das Políticas Públicas, Marcos Pacheco; o secretário de saúde de São Luís, Lula Fylho; o médico e assessor especial da SES, Rodrigo Lopes; e a superintendente do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão (HUUFMA), Joyce Santos.

Atendimento

O fluxo de atendimento foi construído a partir do trabalho conjunto entre os entes federal, estadual e municipal. No novo fluxo, as UPAs Itaqui-Bacanga, Cidade Operária e Vinhais receberão qualquer pessoa que apresente sinal gripal por mais de uma semana. Nessas unidades, os indivíduos serão submetidos ao primeiro atendimento e, em seguida, à triagem em estruturas montadas na parte externa, para que seja dado diagnóstico de quadro leve, moderado ou grave.

Hospital Carlos Macieira é uma das unidades de referência para o tratamento do Covid-19 na capital (Foto: Julyane Falcão)

Os casos considerados leves são aqueles em que os pacientes apresentam sinais e sintomas de gripe comum, coriza e mal-estar. Os enquadrados neste grupo deverão receber alta e serão encaminhados ao isolamento domiciliar com monitoramento constante de técnicos da SES.

Já os identificados como moderado são os apresentam coriza, tosse seca, febre de 38° ou mais e que esteja persistente, além de desconforto respiratório. Estes, deverão ser encaminhados para a enfermaria das unidades médicas e hospitalares de referência para o coronavírus na capital, que são: Hospital Dr. Carlos Macieira (HCM), Hospital das Clínicas Integradas (HCI), Hospital da Mulher (HM) e Hospital Universitário (HUUFMA). Em casos excepcionais, a enfermaria do Hospital de Traumatologia e Ortopedia do Maranhão (HTO) também poderá ser utilizada.

Os classificados com quadro grave são aquelas pessoas que estiverem com tosse intensa, febre alta e falta de ar. Estes, deverão ser imediatamente transferidos para unidades de tratamento intensivo (UTI) do HCM, HCI, Hospital da Mulher, HUUFMA ou HTO.

De acordo com o secretário municipal Lula Fylho, 51 unidades básicas de saúde de São Luís darão apoio aos casos diagnosticados como leves. “O município de São Luís tem buscado esforço conjunto com o Estado para que sejam dadas as respostas que a população precisa. Queremos ser porta aberta para os casos considerados leves, que são aqueles que apresentarem desconforto respiratório pouco evidente, ou aquela gripe persistente, e que por estes motivos despertem dúvidas nas pessoas”, destacou.

Também presente na coletiva, a superintendente do HUUFMA, Joyce Santos, observou a união entre as esferas governamentais contra a doença. “O HUUFMA ficou especificamente para atendimento dos pacientes mais graves. Diante disso, ele se faz presente não apenas no sentido da assistência, mas também da capacitação daqueles que trabalham na unidade”, ressaltou.

Mais segurança

Secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula (Foto: Julyane Galvão)

Segundo o assessor especial da SES Rodrigo Lopes, também foram elencadas unidades médicas consideradas blindadas para dar assistência aos pacientes não diagnosticados por Covid-19. A medida foi tomada no intuito de não haver cruzamento de fluxo entre pacientes saudáveis e os provavelmente suspeitos, ou infectados, algumas unidades foram blindadas e destinadas exclusivamente aos atendimentos de paciente comuns.

As unidades blindadas são o Hospital Municipal Djalma Marques (Socorrão 1), Hospital de Urgência e Emergência Dr. Clementino Moura (Socorrão 2), UPA Vila Luizão, UPA Parque Vitória, Instituto Maranhense de Oncologia Aldenora Bello (IMOAB), Hospital de Câncer do Maranhão e o Hospital Universitário Materno Infantil (HUMI).

Portaria

Entre as determinações de segurança foi apresentada a Portaria nº 202, que orienta sobre velório e sepultamento para casos suspeitos e confirmados de Covid-19. Para evitar riscos de contaminação, os velórios devem acontecer em local aberto e não residencial. No momento do enterro, o número será limitado a 10 pessoas presentes e o caixão deverá estar lacrado.

Deixe uma resposta